Personagens fictícios inspirados em pessoas reais: Alice Pleasance Liddell

Você já se imaginou andando por ai e dar de cara com ninguém mais ninguém menos que… Lord Voldemort?

Loucura né? Definitivamente, se Voldemort fosse real isso não seria um bom sinal, por motivos óbvios. Mas fiquem tranquilos, nós não viemos aqui trazer essa estranha notícia e falar por ai sobre aquele que não deve ser nomeado…

Para aqueles que adorariam que as histórias dos livros tomassem vida! Eis uma revelação:

*** Muitos autores inspiram suas histórias em eventos e pessoas cotidianas*** 😀

O que significa que dentro de cada um de nós, existe o potencial para ser o herói 😎 ou o vilão 😈 de nossas próprias histórias! (eu espero que vocês escolham o lado da Luz, apesar de Darth Vader ser estiloso)

giphy.gif

As matérias “Personagens fictícios inspirados em pessoas reais” apresentaram ao leitor pessoas reais, que fizeram parte da vida dos nossos queridos autores

Hoje vamos começar por uma menina nascida no século XIX, que, junto com suas irmãs, inspirou um matemático a produzir um dos livros infantis mais conhecidos da história.

ALICE PLEASANCE LIDDELL

532616a082247a09cbdc7fcadc6aff40
Alice Pleasance Liddell

Alice Pleasance Liddell (1852-1934) quando criança foi amiga do escritor Lewis Carroll. A garotinha foi a inspiração para os contos mais famosos do escritor. Carrol “batizou” a sua mais famosa personagem com o mesmo nome de sua amiga. Alice não possuía longos cabelos dourados como nosso imaginário costuma nos levar a pensar (comum pra quem já viu a animação dos estúdios Disney). Curiosamente temos uma imensidade de fotos de Alice Liddell, com cabelos escuros, em corte chanel (Foto ao lado) – foi, provavelmente, com esse visual que Carroll imaginou sua Alice.

Segundo relatos deixados pela própria Alice, ela e suas irmãs quando passeavam com Carroll o requisitavam sempre que lhe contassem histórias,  e é em um destes passeios que Carroll inicia a história que mais tarde viria a ser “Alice no país das maravilhas”.

Aliás, na versão do conto que fora traduzida pela Maria Luiza Borges e publicada pela editora Zahar (coleção clássicos Zahar), temos no início do conto uma poesia escrita por Carroll que ambienta bem esse acontecimento.

Juntos naquela tarde dourada
Deslizávamos em doce vagar,
pois eram braços pequenos, ineptos,
Que iam os remos a manobrar,
Enquanto mãozinhas fingiam apenas
O percurso do barco determinar.

Ah, cruéis Três! Naquele preguiçar,
Sob um tempo ameno, estival,
Implorar uma história, e de tão leve alento […]”
(CARROLL, Lewis)

Carroll e e a família de Alice tinham uma relação de amizade. Existem muitas fotos de Alice e suas irmãs que são de autoria de Carroll. Alguns destes retratos acabam por criar questões polêmicas a respeito da amizade entre Carroll e Alice, devido à gigantesca diferença de idade, mas nada foi provado. Há também uma teoria de que Carroll bajulava muito Alice e suas irmãs por um interesse pela governanta, ou pela irmã mais velha de Alice (que nasceu em 1849) ou até mesmo a mãe das meninas. (Gente que loucura)

lewis3_922.jpg
Carroll e as crianças Liddell

Fato é que não há provas de que Carroll tivesse algum interesse erótico em Alice, ambos tinham diários e trocavam cartas. E é em uma página cortada de um dos diários de Carrol que se encontra o mistério de um suposto interesse dele por uma das mulheres que cuidavam de Alice. Porque a dúvida? Parece que, ironicamente, Carroll havia usado um apelido para referir-se à usa “paixão”, o nome “Ina”. Apelido este que pode ser ligado a essas três mulheres.

Mas antes de toda essa polêmica, é preciso lembrar “Além disso, como fez Lacan, devemos separar o artista do sujeito” (SOARES). Para os amantes das ciências exatas, pode ser interessante saber que, a mente matemática e lógica de Carroll está contida em seus contos. E, além disso, outra infinidade de possibilidades que descrevem a infância e seus paradigmas. Podemos reconhecer em Alice, não apenas a menina Liddell, mas nós mesmos, nossas questões de infância e principalmente de “pré-adolescência” – as questões de “quem sou eu”, “qual o meu tamanho”.

E ai? O que você acha de tudo isso? Como deve ser a vida das pessoas que serviram de inspiração para escritores?

Bem, essa foi a nossa primeira matéria sobre “Personagens fictícios inspirados em pessoas reais”. Estamos preparando outras matérias sobre o mesmo assunto, sobre outras personagens. Aguarde!

JULIA

Anúncios

Um comentário em “Personagens fictícios inspirados em pessoas reais: Alice Pleasance Liddell

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s